Pets + crianças = sim ou não?

Finalmente adotamos nosso primeiro pet! Aproveitamos então para conversar com a cardiologista pediátrica, Dra Fabiane Berruezo Barbosa, para analisar os prós e contras e ajudar quem está indeciso.

Toddynho chegou! As crianças adoraram!
Toddynho chegou aqui em casa! As crianças adoraram! 🙂

“Alguns pontos podem ser negativos E positivos”, explica a Dra Fabiane. Ela explica: “É preciso ter responsabilidade. Num aspecto negativo, os animais são inteiramente dependentes, tanto para se alimentarem, como para qualquer outra necessidade.”

E o aspecto positivo da responsabilidade? “Bem, os animais ensinam as crianças a terem responsabilidades rotineiras, o que é muito válido para seu crescimento”, complementa a Dra. Aqui em casa, tem funcionado: as crianças sempre verificam ração e água, ajudando bastante! Mas a parte de limpar a caixinha de areia, não tem jeito, sobra para os pais…

Alguns cães são ferozes, podem necessitar treinamento.
Alguns cães são ferozes, podem necessitar treinamento.

“Outro ponto a ser observado é o tempo, se você tem uma vida corrida, agitada e quase sempre fora de casa, fica difícil ter um cão ou gato, mas no caso de um peixe ou uma tartaruga é diferente.” A Dra explica que a escolha do tipo de animal de estimação pode fazer diferença. Menos trabalho, menos interação… mas nem por isso, menos amor!

É muito provável que seus filhos sejam mordidos. A maioria das mordeduras de cães acontece em crianças menores de 12 anos, pois elas apresentam maior dificuldade de interação da maneira correta, principalmente com cães e gatos” – e isto é verdade! Não podemos nos esquecer de que os animais são animais, devem ser respeitados, e às vezes as crianças não sabem pegá-los ou mesmo brincar de forma adequada. Aqui em casa, temos uma Felícia, que aos poucos está aprendendo a brincar com nosso gatinho! Mas ela tem colecionado vários arranhões…

Um ponto negativo e muito importante: as férias! “Durante as férias, você vai ter que se preocupar em deixar seu animal de estimação com alguém, ou um hotel para animais”, diz a Dra. Fabiane.

Além disso, é necessário que sua casa tenha espaço para o tipo de animal de estimação que escolher. Não se esqueça, algumas raças de cães precisam de espaço. Se morar em prédio, verifique a norma do condomínio. No caso de gatos, o local precisa ser totalmente isolado da rua.

Tem que ter espaço para os novos habitantes!
Tem que ter espaço para os novos habitantes!

E um ponto crucial: o custo! “O custo pode ser alto, castração, vacinação, ração, veterinário, higiene, brinquedos…” A Dra. tem razão, e este mercado é bastante tentador, a cada dia inventam novidades para agradarmos nossos bichinhos!

Mas a Dra. Fabiane enumera vários itens positivos: “Os animais nos fazem companhia. Nos dias de hoje em que muitas famílias optam por ter um único filho, os animais ajudam a diminuir o sentimento de solidão”. E como eles nos fazem companhia! Com sua fofura inocente, alegram o nosso dia!

Ele não para quieto!
Ele não para quieto!

Outro aspecto, alguns animais, como os gatos, são excelentes caçadores! E os cães, podem oferecer muita proteção à casa.

Você sabia que ter um animal diminui o risco de depressão? “É verdade. Vários estudos já provaram o risco mais baixo de depressão em lares com animais”.

Existem outros benefícios médicos? “Sim” – diz a Dra. Fabiane – “Tirando as crianças que apresentam alergias específica a pelos de certos animais, sabemos que ter um cão ou gato antes de um ano de idade reduz pela metade o risco de uma criança desenvolver alergias“.

E sob o aspecto psicológico? Meu filho, de 8 anos, tinha verdadeiro pânico de animais de estimação. Por isso mesmo, quisemos adotar um. Hoje em dia, ele se sente muito mais seguro. A Dra. Fabiane explica “Sim, eles aprendem a entender os animais, se colocar no lugar deles. Outra vantagem: aprender a lidar com a morte. As crianças que têm animais de estimação aprendem mais facilmente a lidar com perdas e a morte desse animalzinho que passara’ a fazer parte da família” – finaliza.

E você, consegue pesar os prós e contras? Aqui em casa, valeu muito a pena! Boa sorte!

Agradecimentos: Dra Fabiane Berruezo Barbosa, cardiologista pediátrica (instagram: @cardiopediatrasp)
Imagens: internet / arquivo pessoal

Anúncios

Este tempo seco…

Inverno com cara de verão… Baixa umidade, poluição! Quem é que não sofre com esta situação?

São Paulo em 03/08/15
São Paulo em 03/08/15 – Foto “Meio Ambiente News”

“Nesta época de inverno, a baixa umidade do ar acaba por trazer uma série de desconfortos para toda a família . As crianças, diferente dos adultos, têm maior dificuldade de adaptarem-se a umidade do ar menor que 50%”, explica a Dra Fabiane Berruezo Barbosa, cardiologista pediátrica.

E quais são os sintomas? “As conseqüências da baixa umidade do ar podem provocar ardência, ressecamento dos olhos, boca e nariz e, consequentemente, aumento dos casos de doenças respiratórias e agravamento de sintomas alérgicos como tosse, coceira no nariz, espirros, garganta seca, falta de ar e até sangramento nasal”, explica a Dra. Fabiane.

Ela nos dá uma lista de dicas:

– Fique atento à hidratação das crianças, oferecendo bastante líquido. Não espere a criança pedir (o que já demostra sinais de desidratação);

– Boas opções para hidratação são: água, água de coco, chá, e frutas ricas em líquidos como melão e melancia. Evite refrigerante e sucos muito doces;

Melancia, riquíssima em água!
Melancia, riquíssima em água!

– Umedeça o nariz e olhos com solução fisiológica;

– A higiene do ambiente merece atenção, realizar com pano úmido para eliminar o acúmulo de poeira;

– Manter os ambientes arejados e úmidos, seja com umidificadores, toalhas molhadas ou baldes com água (estes longe do alcance das crianças para evitar acidentes);

– Evite banhos quentes que ressecam a pele e use hidratante corporal;

– Forre travesseiros e colchões, usar edredons ao invés de cobertores, retire objetos que acumulem pó, como livros, revistas, brinquedos de pelúcia e caixas do quarto das crianças;

Ótimo momento para dar um banho neste pessoal!
Ótimo momento para dar um banho neste pessoal!

Para finalizar uma excelente dica: “Cuidado com a limpeza dos umidificadores, sempre troque os filtros e faça higienização frequente para evitar que produzam mofo (fungos) ou acumulem bactérias agravando os quadros respiratórios”, finaliza a Dra Fabiane.

Aqui em casa, este elefante faz sucesso! Até os adultos usam!
Aqui em casa, este elefante faz sucesso! Até os adultos usam!

Agosto é mesmo um mês de seca, baixa umidade, e a poluição das nossas cidades favorece estes problemas. Em São Paulo, a previsão de chuva acontece só para o final do mês!… Vale então seguir as dicas para melhorar um pouquinho nossa qualidade de vida!

Agradecimentos: Dra Fabiane Berruezo Barbosa, cardiologista pediátrica (instagram: @cardiopediatrasp)
Imagens: internet / Meio Ambiente News

Amamentação: opinião da Pediatra

Tetê… Mamá… Qué… Os bebezinhos têm várias formas de pedir! 🙂
amamentacao
Vamos trazer vários posts bacanas, com a participação da pediatra Dra. Fabiane Berruezo Barbosa, cardiologista infantil e membro da Sociedade Brasileira de Pediatria (instagram @cardiopediatrasp).

Esta semana, para comemorar a semana mundial da amamentação, aproveitamos para conversar sobre este tema, confira:

Festinha Legal: Qual o maior desafio para a pediatria em relação à amamentação?

Dra. Fabiane: Certamente, a proposta de que todos os bebês tenham aleitamento EXCLUSIVO até o 6º mês.
Festinha Legal: Dra, quais são os principais benefícios da amamentação?
Dra. Fabiane: A amamentação tem valor não somente nutricional, como também imunológico, psicológico, social e econômico e que beneficia a criança, a mãe, a família e a sociedade. É prática e conveniente, pois está sempre disponível, livre de contaminação e em temperatura ideal.
Festinha Legal: Existem doenças que podem ser prevenidas com a amamentação?
Dra. Fabiane: Realmente, as chances de desenvolverem doenças como hipertensão, diabetes e obesidade parecem ser menores em crianças que se alimentam do leite materno nos primeiros meses de vida.
amamentacao
Momentos inesquecíveis…
Festinha Legal: Para as mães, também existem vantagens em se amamentar?
Dra. Fabiane: Sim, para as mamães as vantagens são muitas também! A amamentação estreita os laços afetivos entre mãe e bebê, reduz o câncer de mama e ovário, ajuda o útero a voltar ao tamanho normal e auxilia na perda de peso.
Amamentar é amor, dedicação e cumplicidade!
Festinha Legal: Complementando com minha opinião e vivencia, amamentei meus filhos até os seis meses somente com leite materno, nem mesmo água, e foram muitos os benefícios. A maior dificuldade, no entanto, foi explicar para familiares que o bebê só precisava do peito…
Dra. Fabiane: Ainda existe a ideia de que os bebês precisam de outros alimentos e líquidos. Aos poucos nós, pediatras, temos como meta explicar e elucidar que o leite materno tem todas as proteínas, vitaminas e a composição ideal e suficiente para nutrir o bebê.
Muito obrigada e até a próxima!
Para as mamães que não conseguem amamentar, também dá para vivenciar a cumplicidade! A vida está muito corrida e nem sempre é possível amamentar por tanto tempo. O que vale é tentar, se dedicar, buscar a opinião do pediatra.

E aproveitem seus pequenos o quanto puderem, pois depois a gente sente falta destes momentos tão especiais…

Para descontrair, um vídeo muito engraçado:

Agradecimento: Dra. Fabiane Berruezo Barbosa (instagram: @cardiopediatrasp)
Foto: Internet
Vídeo: Conecta Mães